Pequenas Dicas para uma boa soldagem.

Alguns Ferros de Soldar de Potência Alta.

Atualizado em 4 de Fevereiro de 2019,

A imagem, alguns ferros de soldar de potência. Fonte: Site de Eletrônica de Paulo Brites.

Dica de Químico. É simples fazer uma boa soldagem para Eletrônica.

Basta que as partes a serem soldadas estejam bem limpas e livres de óxido. Terminais, componentes ou fios oxidados, não soldam bem, pois a solda não adere a eles.

Você pode lixar os terminais, dos componentes e os fios. ou limpar com esponja de aço, tipo “BomBril”, ou ainda com escova de aço.

Caso os fios estejam muito oxidados, usando um cotonete ou pequeno pincel, passe uma pequena quantidade de pasta para soldar, pasta de soldar (a base de cloreto de zinco e/ou cloreto de amônio), e deixe agir por 30 minutos. Depois remova a pasta de soldar e volte a limpar os terminais.

Caso tenha usado pasta de soldar, será necessário remover toda a pasta,após a soldagem, usando um algodão molhado em alcool 95 GL ou alcool isopropílico. Também podem ser usados para limpar a pasta: Aguarraz, querosene ou o chamado “Óleo de Banana” sintético, acetato de amila.

Acerca da solda a ser utilizada, em Eletrônica usa-se solda em fio, contendo em seu interior um fluxo a base de resina ou breu. Antigamente (TORRES, C., 2011) se chamava “solda trinúcleo”, porque os fios de solda continham internamente 3 filetes de fluxo resinoso. Atualmente os fios de solda são mais finos e tem um só núcleo de fluxo.

Várias marcas  de solda existem no mercado. Fabricadas no Brasil ou Chinesas. As principais  marcas Brasileiras (produzidas ou distribuídas) são:  Best,  CobixVonder, Cast, Emavi, WT, Worker, Hikari. Tenho obtido muito bons resultados com a solda de marca Soft tipo SC63.Q10. Muito boas eram as soldas Cesbra e Trancham, mas parecem agora, fora de fabricação. Contudo, alguns revendedores ainda tem estoque de solda da Cesbra.

As soldas existem em várias proporções entre as quantidades de estanho e a de chumbo. A mais usada em eletrônica é a 60:40, 60 % de estanho e 40 % de chumbo (vem em carretéis azuis) . Mas eu prefiro a eutética, 63 % de estanho e 37 % de chumbo (carretéis laranja).

A cor do carretel identifica a proporção entre estanho e chumbo. Assim, laranja é 63:37; azul é 60:40;  amarelo é 50:50, verde é 40:60 e marrom, 25:75. Quanto mais chumbo ela contém, maior será o ponto de fusão. Mas somente as de alto teor de estanho (carretéis azul ou laranja) servem para aplicação em Eletrônica.

Quanto ao ferro de soldar, recomendo que usem um de baixa potência, entre 18 e 30 W, para soldar em celulares, arduino ou componentes SMD. 30-50 W também é adequado para eletrônica geral, placas de circuito impresso e componentes discretos como resistores, capacitores e transistores. 60 a 100 W para soldar circuitos a válvula (como nos rádios antigos) ou elétricos. Mais potentes, só para chassis de ferro e fios de eletricidade.

Há várias marcas de ferros de soldar:  Ener, TramontinaAFR (são muito bons e especialmente os sugadores de solda deles), Fame, Weller (Alemanha), Worker, Taiyo (Japão) Brasfort , EDA (Alemanha) , MXT, Western, Yaxun, Yihua (China).  Eu gosto dos das marcas Fame e Ener, porque vários modelos tem cabo em baquelite, que não queima e nem derrete, mas especialmente recomendada pelos profissionais, é a marca Hikari.

Eu faço muitas soldagens, por isso tenho vários ferros de soldar: Tenho um velho Ener 00, de 18 W, com cabo de baquelite; um Fame  de 30 W,  semelhante a este, mais bem mais antigo. Um Worker de 60 W com cabo de madeira, um Ener de 100 W e um Hikari Power 300 , de 265 W.